quarta-feira, 4 de julho de 2007

Sete Virtudes Humanas III




Temperança

Engraçado como mantive o equilíbrio
Quando de perto a loucura me chamou
Ela tinha o seu nome, mas permaneci sóbrio
Será mesmo que acreditei que me amou?

As vezes acho, e por isso perco
Falho em hesitar, quando a certeza pratico
Diante de ti, as teorias são ecos
E é isso que me freia e também me torna enfático

Perto de ti essa virtude some
Desequilibra minha sanidade
Pondo em jogo até minha moral
Perco certamente meu sentido natural

O meu bordão
Sim!
Se torna um
Talvez...

A firmeza da certeza
Relativizada em complexas inadequações
Essa é a força que exerce com proeza
Em cima de minhas emoções

Tirando de mim a temperança
E a virtuosa esperança

Um comentário:

Jacqueline disse...

OI,

boa sorte na sua defesa amanhã! Sorte não é bem a palavra, mas você entende... minhas vibrações positivas estarão contigo!

P.s.: Eu ia mandar isso por e-mail, mas ia dar o maior trabalho abrir o -email , pegar o seu pelo Msn, então achei por aqui mais fácil... :-P